BIKE TOUR PORTUGAL 2010. A VERGONHA CONTINUA

Caros senhores, sou deficiente motor com 80% de incapacidade, mas pratico ciclismo adaptado desde 2006. O meu nome é: José Leones Lima

Em 2007 realizei a primeira volta a Portugal em handbike, de Viana do Castelo a Faro, o mesmo sucedeu em 2008, mas desta vez de Valença a Quarteira,
e em 2009, partimos de Monção novamente até Quarteira, mas em 2010 a Volta a Portugal em Cadeira de Rodas não sucederá , porque sinceramente estou a começar a aceitar, que os políticos Portugueses e as empresas que patrocinam os desporto em Portugal, têm vergonha de ver deficientes nos seus eventos, e tudo fazem para os deficientes que gostam de praticar desporto não compareçam nos mesmos.

Os deficientes que gostam de praticar ciclismo adaptado, tem o problema de qualquer handbike das mais básicas, custar de 3.000 euros para cima, e se pudessem participar nos eventos do Bike Tour, teriam acesso a uma handbike por 60 euros, e esta handbike seria com certeza para praticar desporto, e não para fazer negocio, como se pode encontrar e confirmar na NET, com algumas das bicicletas saídas dos eventos do Bike Tour.

Exemplifico o que antes afirmei:

Desde 2008, que com um grupo de amigos, todos praticantes de ciclismo adaptado, tentamos participar nos eventos do Bike Tour, começamos por tentar em 2008 fazer a inscrição nas lojas dos CTT, como qualquer outro Português, mas informaram-me que os deficientes só poderiam ser convidados por algum parceiro do Bike Tour, tentamos essa hipótese, mas ninguém aceitou convidar-nos, nem o Centro de Reabilitação do Alcoitão, que todos os anos, comparece nos referidos eventos de Lisboa ou do Porto, quase sempre com os mesmos 4 ou cinco deficientes (alguns destes deficientes já têm 2 ou 3 handbikes), então fizemos ver aos dirigentes da Sportis (a empresa detentora e que organiza os Bike Tour) que não era possível, principalmente aos deficientes do Norte do país, já que os do Centro e do Sul eram apoiados pela Alcoitão, participarem nos já referidos eventos.

E assim foi impossível que algum deficiente do Norte participasse nos eventos do Bike Tour de 2008.
Ainda em 2008 conseguimos contacto com o então o Director de Eventos da altura, que depois de nos escutar e conhecer a realidade, prometeu que o nosso clube, o Clube VPCR (Volta a Portugal em Cadeira de Rodas) poderia ser o parceiro que faltava no Norte para os eventos do Bike Tour, e através do nosso clube, os deficientes que praticam ciclismo adaptado no Norte, teriam uma porta aberta para a participação.
Foi agendada uma reunião, mas uns dias depois, o referido Director, deixou de trabalhar para a Sportis.

Em 2009 encetamos novas conversações com a Senhora Directora que ocupou o cargo livre, e nova reunião foi agendada para Fevereiro do referido ano, mas uns tempos depois também esta Directora foi afastada do cargo, e novamente não conseguimos de forma alguma fazer a inscrição para os eventos do Porto e de Lisboa.

Em 2010, e depois de pedirmos ajuda ao Gabinete da Senhora Secretaria de Estado Adjunta e da Reabilitação, Dra. Idália Moniz, pensava-mos que desta vez poderíamos ter a chanse de participar, digamos uns 15 ou 20 deficientes, numa totalidade de participantes que em Lisboa rondam os 8.000 e no Porto cerca de 7.000.
Mas também não foi possível, a Sportis não aceitou tal ínfimo numero, apenas aceitou duplicar o numero de deficientes, que nos anos anteriores, e sempre por meio do Centro do Alcoitão, era de 4 ou 5 participantes, ou seja passou o numero para 10 no máximo.
Façam as contas e vejam a disparidade do numero em relação com os participantes ditos normais, que se inscrevem em qualquer loja dos CTT.

Então não somos todos Portugueses?

Porém o Director de Eventos da Sportis, que aceitou duplicar o vergonhoso numero de deficientes de uma forma hipócrita, encontrou um sistema para permitir que qualquer deficiente se inscreva (já que esta era uma das nossas reivindicações, para ficarmos em igualdade de condições, com as pessoas ditas normais), porém a totalidade das inscrições, passa por um crivo de um sorteio, de onde sai-em no máximo 5 participantes.
Volto a perguntar, não somos todos Portugueses?

Porque é que os 5 participantes deficientes do Alcoitão não têm que fazer o sorteio?
Porque é que os 8.000 ou 7.000 participantes ditos normais não têm que fazer o sorteio?
Volto a perguntar: porque é que os deficientes que gostam de praticar ciclismo adaptado, não se podem inscrever no ditos eventos como qualquer outro Português.

Isto é uma grande injustiça, e estamos a juntar um grupo de deficientes que se sentem injustiçados para comunicar ao país esta injustiça, no dia do evento do Bike Tour do Porto.

Vamos fazer o possível para que os deficientes Portugueses não se inscrevam em tal discriminatório concurso.
Mesmo sabendo que o compadrio, e que as cunhas continuam a funcionar, eu e uns quantos mais, negamos-nos a participar em tamanha vilania, porque somos tão Portugueses como qualquer outros, e pedimos a vossa fiscalização para esta vergonhosa forma de trabalhar.

Recebi este comunicado e divulgo-o com imensa tristeza. Mais uma vez se vê como as coisas funcionam quando se trata de deficiência. É VERGONHOSO E DISCRIMINATÓRIO! PIOR É QUE MAIS UMA VEZ NINGUÉM FEZ NADA.
PARABÉNS LIMA, POR CONTINUARES A DIVULGAR INJUSTIÇAS E A LUTAR ACTIVAMENTE.

Comentários

  1. Infelismente este tipo de coisa ainda acontece pelo mundo a fora, realmente é lamentável que as pessoas com deficiência sejam tratadas desta maneira como se não tivessem o direito de participar das atividades e quando participam parece que é por piedade de quem permitiu.
    Poderiamos fazer uma campanha na internet divulgando os nomes de empresas que apoiao eventos como este que tratam pessoas com deficiência com desrespeito.

    ResponderEliminar
  2. Partilho da tua indignação e tristeza amigo!

    Mas o que acho mais grave é o Centro de Reabilitação de Alcoitão não abrir as portas a outros participantes e leve sempre os mesmos...tinha obrigação!!
    É lamentável que o não faça.

    ResponderEliminar
  3. Li este relato e fiquei indignado, ora quer dizer que um grupo é privilegiado e os outros discriminados? E o pior é que, os dois grupos deveriam ser parceiros! A desunião e o “nois é nois e o resto é resto”, como descrito no relato só pode ter um resultado, a não inclusão e a discriminação do portador de deficiência física. Por-que os ditos normais, nos dariam apoio em nossa luta pela inclusão, se entre nôs mesmos ocorre o preconceito, no caso regional. É lamentável, eu mesmo não participo mais do Bike Tour, por motivos bem parecidos.

    ResponderEliminar
  4. Amigo WANDERLEY, sei que também travas uma grande luta contra este tipo de injustiças. Custa tanto, dói imenso na nossa alma este tipo de situações, não sentes o mesmo? Porque será que temos que ser tão ignorados e postos á prova todos os segundos? Ainda por cima por grandes empresas...Concordo plenamente contigo sobre o expor-mos essas infelizes empresas. Conta comigo para deste lado as sinalizar.

    ANA, CMR Alcoitão em muitos pontos deixa muito a desejar. Eu já tive umas 3 reuniões com a Administração a exigir mudanças e nada resolveram. Brevemente irei aqui expor tudo. Tenho feito como sempre, canais normais. Esgotaram-se todos, então vou tornar público.
    ANA, a SPORTIS e quem permite estas injustiças é que deveriam ser punidos. Mas nem INR, Governo Civil e outros nos apoiam...

    ANDRÉ, realmente o BIKE TOUR tem deixado descontentes em vários lugares. Vergonhoso, indignação...tens razão. Todos os adjectivos são poucos. Pior é que somos sempre nós a ser os excluídos. Wanderley tem razão. Estas empresas deveria ser postas numa lista negra como as inimigas da pessoa com mobilidade reduzida. Eu alinho.

    PARADOS NÃO PODEMOS FICAR.

    Fiquem bem e obrigado pela solidariedade.

    ResponderEliminar
  5. Eu ando porca já sabeis k podeis contar com migo para o que for………divulguem k eu faço na mesma isto vai dar k falar… estar parado e morrer, força e vamos a por todas, já basta!! de tanta( hipocrisia ignoraria e descriminação) a luta não pode parar… deve continuar, e divulgar pela NET aquilo que esta a passar.

    !!FORÇA COMPANHEIROS A LUTA CONTINUA!!

    Felix…

    ResponderEliminar
  6. REALMENTE CARO AMIGO...,
    O NEGÓCIO É FAZERMOS PRESSÃO.
    ABÇS

    ResponderEliminar
  7. Colegas, brasileiros e españoles, vejam a descriminação que a em Portugal temos pelas impressa, e lutem como nosotros passe a palavra, colega, lo mismo digo alos compañeros de Madrid y asociaciones, pasen la palabra pues el evento se realizara en Madrid 9 de Nobiembre, y no paseis por lo que nosotros estamos a pasar luchem, la fuerza hace la union

    Felix

    ResponderEliminar
  8. Um grande absurdo, Eduardo! Quanta ignorância, desrespeito e hipocrisia! É preciso pressionar bastante, como disse o Jeff.

    Fique bem!

    ResponderEliminar
  9. FELIX, é isso mesmo! Obrigado por continuares a luta.

    JEFF, ficamos sempre com as migalhas. Não podemos dizer sempre SIM a qualquer coisa. Espero que ai no Brasil o Bike Tour vos trate melhor.

    VERA, estas grandes empresas que só pensam em lucros, deveriam ser fortemente penalizadas. Como sugere o Wanderley, todos deveriam ficar a conhecer esta parte hipócrita e mesquinha delas.

    Fiquem bem.

    ResponderEliminar
  10. Nos pessoas com deficiência permanecemos na sombra de uma (caridadezinha, hipócrita) donde persiste (a técnica da palmadinha nas costas e os constantes )sorrisos amarelos que com alguma regularidade nos estão a anunciar, uma mão cheia) de soluções para resolver os nossos problemas, barreiras arquitectónicas e outros, será possível usufruir das muitas coisas que nos são retiradas pelo desinteresse ignorância e descriminação a que estamos sujeitos permanente mente…..não passamos de cidadãos virtuais, ou não existimos ……e muito duro mas a realidade e esta…..



    Felix……

    ResponderEliminar

Enviar um comentário