Britânico Luta Pelo Direito á Morte

Desde que sofreu um derrame, em 2005, que o deixou paralisado do pescoço para baixo e lhe roubou a voz, Tony Nicklinson apenas consegue comunicar através de leves movimentos com a cabeça, os olhos e as pálpebras. Farto dessa situação, o britânico de 56 anos quer que a mulher o ajude a morrer sem correr o risco de ser processada. Para isso, entrou com um processo na justiça no Reino Unido.

Nicklinson - que segundo os seus advogados não deseja passar os próximos 20 anos com a síndrome do encarceramento - pede ao Ministério Público que esclareça a lei sobre a chamada "morte digna", isto é, quando um homicídio é cometido por compaixão, a pedido da vítima.

O Ministério Público (MP) britânico divulgou, no passado mês de fevereiro, orientações sobre suicídio assistido na Inglaterra, País de Gales e Irlanda do Norte.
Mulher pronta para ajudar marido a morrer

A única forma legal, atual, de Nicklinson conseguir morrer é por inanição, isto é, se recusar alimentos e bebida, mas a mulher, Jane, está preparada para lhe dar uma dose letal de medicamentos. O problema é que, se fizer isso, poderá ser acusada de homicídio.

Advogados da família querem que o MP esclareça se vai processar Jane. Caso a resposta seja afirmativa, deverão recorrer com o argumento de que a lei em vigor viola o direito à privacidade de Nicklinson, de acordo com o artigo 8º da Convenção Europeia dos Direitos Humanos.

Nicklinson, que sofreu o derrame durante uma viagem de negócios a Atenas, Grécia, lamenta não o terem deixado morrer naquela ocasião.

"Fiquei paralisado do pescoço para baixo, e não posso falar. Preciso de ajuda para quase tudo. E só posso comer quando me alimentam, mas, ao contrário de um bebé, eu não vou evoluir. Não me resta privacidade ou dignidade. Sou lavado, vestido e colocado na cama por enfermeiros que são, apesar de tudo, estranhos. Estou farto, e não quero passar os próximos 20 anos, ou o que seja, assim. Se perguntarem se estou grato aos médicos que me salvaram a vida em Atenas, a resposta é não, não estou", afirma Nicklinson, que conseguiu dizer isso apontando com a cabeça para letras num quadro colocado na sua frente.

O mais provável é que o caso de Tony Nicklinson acabe por ser decidido por um júri. Recorde-se que, no passado mês de Janeiro, a britânica Kay Gilderdale foi ilibada da acusação de tentativa de assassinato depois de admitir ter ajudado a filha deficiente (Lynn havia tentado o suicídio) a morrer.

Fonte: Expresso

Comentários

  1. Caro Eduardo,
    Não podemos julgá-lo. Ele encara o sofrimento como consegue.
    Espero que o MP não permita sua morte.
    Deus dá a cada um o fardo que pode suportar.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  2. Mónica, infelizmente este assunto é tão complexo que debate-lo aqui seria impossível.

    Mas posso-te dizer que nos casos de quem esteja lúcido e seja maior de idade, eu concordo com a eutanásia. É como escreves. Não podemos nem devemos julgar ninguém que toma esta decisão. Ele melhor que ninguém saberá do porquê desta decisão.

    Fica bem.

    ResponderEliminar
  3. Querido Eduardo,
    Respeito sua opinião.
    Realmente é um assunto que não cabe um debate, porque envolve inclusive crenças religiosas e cada um tem a sua.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  4. Verdade, Mónica. As questões religiosas também contam muito.

    Obrigado por estares sempre presente.

    ResponderEliminar
  5. Querido Eduardo,
    Não tem o que agradecer, já que sou eu a beneficiada.
    Frequentar seu blog é uma grande alegria, honra e aprendizado. Sou eu que agradeço a oportunidade.
    Um abraço!

    ResponderEliminar
  6. Boa Noite
    Sr Eduardo Jorge

    Acabo de ler os seus comentários,como deficiênte que sou, presidente de uma IPSS, é com certeza que muito ainda há para fazer em relação a deficiência.

    Gostava de lhe perguntar, de onde é propriamente, e se esta ligado a alguma entidade.

    Pois deixo-lhe aqui os contactos da instituição que represento, teria muito gosto em marcar uma pequena reunião consigo, e quem sabe senão poderia vir a participar do nosso projecto.

    Nome: Associação Social Cultural e Desportiva "OS TROVÕES" Instituição Particular de Solidariedade Social.

    Contactos:
    Telefone: 210 194 650
    Fax:----- 210 194 650
    Telemovel: 934 399 075
    e-mail: cdtrovoes@hotmail.com
    e-mail: ascdostrovoes@gmail.com

    Com os mais sinceros cumprimentos

    O Presidente
    António Barreto

    ResponderEliminar
  7. Combinado, António Barreto. Será um prazer trocarmos ideias.
    Entrarei em contacto consigo.
    Fique bem.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário