Centro de Saúde de Gondomar sem Acessibilides

Os utentes do Centro de Saúde de Gondomar, que foi transformado em três unidades de saúde familiar, lamentam a localização do equipamento. O acesso faz-se por uma íngreme ladeira de dois sentidos, com carros estacionados e, lá em baixo, reina a confusão.

Para chegar ao edifício das unidades de saúde familiar dos Sete Caminhos, Renascer e Monte Crasto, que servem 40 mil utentes, é preciso descer uma íngreme rua de dois sentidos, com carros estacionados de um lado e pedregulhos do outro. "É terrível. Quando se cruzam dois carros é muito complicado", contou Miquelina Magalhães, uma das utentes.

O problema, assegurou Carlos Nunes, director executivo do Agrupamentos de Centros de Saúde de Gondomar, é antigo. Desde a inauguração do equipamento, no ano 2000, já lá vai uma década, que a sua localização é contestada. Daí para cá, inúmeros pedidos foram feitos no sentido de melhorar as acessibilidades.

"Desde essa altura que a Direcção Regional de Saúde do Norte anda em diligências no sentido de serem criadas as condições adequadas, tanto de acesso como de estacionamento", assegurou, ao JN, o responsável. "O terreno onde está o centro pertencia a uma urbanização que faliu, estando tudo em tribunal há anos. A Câmara entende que não pode fazer obras em terrenos que estão nesta situação", acrescentou.

No último ano - e desde que foram criadas estas unidades de saúde familiar - voltou a fazer-se pressão no sentido de melhorar os acessos, "mas a Câmara diz que não pode", afirmou Carlos Nunes.

E actual acesso, provisório, é feito pelo lado oposto ao que estava inicialmente previsto.

Ao JN, a Câmara Municipal de Gondomar limitou-se a referir que a rua de acesso à unidade de saúde deverá ser melhorada. "Está planeado proceder à sua beneficiação", assegurou fonte da Autarquia, não avançando, contudo, com um prazo para início e execução dos trabalhos.

Em nenhum local há acesso para pessoas com deficiência. Os autocarros não descem a ladeira e se um utente de cadeira de rodas tiver que ir ao centro é obrigado a pedir boleia ou terá que competir com os carros a subir e a descer, mais os que lá estão estacionados. Além disso, a meio do percurso há uma escadaria, mas não há uma rampa, o que aumenta as dificuldades.
Fonte e noticia completa: JN

Comentários