Meu Processo Clinico - Isto Será Normal?

(para ampliar as imagens, clique nelas)Precisei do meu Processo Clínico, visto ter tido o acidente em 1991, e ter mudado várias vezes de médico assistente, acabei por ficar sem historial nenhum.
Através do meu querido Alberto Neves de Melo, do Blogue Escritos Dispersos (conselheiro jurídico)fui informado de como o requisitar. Foi o que fiz. Resposta do Hospital de São José (onde fui socorrido e operado após acidente), foi negativa. Podem vê-la em cima. Entra outra vez em acção meu estimado conselheiro jurídico, enviando uma exposição para a IGAS-Inspeção Geral das Actividades em Saúde. Poucos dias depois recebo o meu Processo Clínico completo, enviado pelo Hospital de São José. E ainda por iniciativa própria, conseguiram junto do Hospital Curry Cabral (onde fiz uns meses de reabilitação no Serviço de Medicina Física e Reabilitação), meu Processo de lá também. Vejam na exposição acima.

Ou seja: Inicialmente não me poderiam enviar o Processo (1ª carta)por estar registada em suporte de papel, e por não ter sido possível, dezanove anos depois localiza-lo. Finalizam dizendo: "Apesar dos muitos esforços desenvolvidos nesse sentido, incluindo pesquisa exaustiva no ano de 1991".

Depois de Hospital ser questionado pelo IGAS, apareceu, e enviaram-me imediatamente, não só a documentação completa, como também conseguiram a do Hospital Curry Cabral...Que dizer perante isto? Tanta coisa...

Comentários

  1. Enfim... São os "fantásticos" serviços que temos... :S

    Ainda bem que ainda há excepções!

    Abraço*

    ResponderEliminar
  2. Eduardo, aqui está um excelente exemplo de como funciona o direito neste País.
    Primeiro, não se devem ter chateado nem procurado e toca aviar, o sr. que é de longe...
    A seguir depois de apertados, lá resolveram trabalhar um pouco.

    Assim vai a saude neste País....um miséria, quem precisa e não tem meios para recorrer, vejam o que acontece.

    Grande Eduardo, assim se deve ser sempre, precisavamos de muitos "Eduardos" para fazer abrir os olhos a estes, nem sei o que lhe chamar.

    ResponderEliminar
  3. MARLENE, infelizmente tem razão...Estive no seu O ESSENCIAL É AMAR, está nos meus favoritos, com calma irei com todo o prazer desfruta-lo.

    Amigo MIGUEL, obrigado pelo carinho. Tu também fazes um trabalho em prol da causa fantástico. Obrigado de coração.
    Tens razão, em geral pessoas não voltariam á carga e ficavam sem um seu direito satisfeito. Tudo porque os incompetentes fazem o que querem, como querem e quando querem. Ninguém os penaliza...
    Fica bem.

    ResponderEliminar
  4. Olá, boa tarde,

    E, infelizmente, são tantos os maus exemplos de como alguns Órgãos/trabalhadores da Administração Pública tratam os cidadãos.

    Faltou aqui referir, entre outras situações "anómalas" - perdoe-me a inconfidência -, que houve quem na Provedoria de Justiça - uma Provedora-Adjunta - considerasse normal a primeira resposta negativa, aparentemente conformando-se/dando cobertura ao laxismo, à negligência e displicência inicial.

    Continuaremos na nossa luta. A luta do Eduardo é extremamente louvável e muito complicada...! Imaginem-se com as limitações que sofre quotidiana/permanentemente e comecem, por favor, a dar o devido valor a estas nobres lutas!

    É uma questão de CIDADANIA, de DIREITOS HUMANOS, de DIREITOS FUNDAMENTAIS!

    Bem haja Eduardo.

    ResponderEliminar
  5. Obrigado por estar sempre do meu lado e disponível a ajudar.

    Obrigado por tudo.

    Abraço.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário