Projectos...Milhões...E o Resto?

Várias entidades que prestam serviços às pessoas com deficiência receberam apoios a projetos visando a promoção dos seus direitos, no valor total de mais de 2,5 milhões de euros, disse hoje a secretária de Estado adjunta e da Reabilitação.

Em declarações à agência Lusa, Idália Moniz avançou que, no âmbito do programa Intervir para a Participação, 'foram apresentados projetos muito interessantes que permitiram um financiamento bastante significativo'.

O programa de financiamento às organizações não governamentais (ONG) 'não tem a ver com as respostas prestadas pelas IPSS [Instituições Particulares de Solidariedade Social] da área da deficiência que funcionam como apoio indireto às famílias, através de prestação de serviços feita com cooperação da Segurança Social', disse a governante.

Este ano, o programa apoiou 369 projetos de 179 entidades com um valor de 2,581 milhões de euros.

Idália Moniz referiu alguns exemplos de projetos a desenvolver durante 2010, como a bio horta da Agrobio, onde pessoas com deficiência produzem agricultura biológica e adquirem competências para uma possível entrada no mercado de trabalho, numa área especializada.

Outra ação ajudada foi apresentada pela Associação Portuguesa de Deficientes, a qual 'tem o maior financiamento, de 168,6 mil euros, para sessões de sensibilização e divulgação dos direitos fundamentais das pessoas com deficiência'.

O programa está dividido em três subprogramas, abrangendo projetos que se enquadrem no âmbito da convenção sobre direitos das pessoas com deficiência e contribuam para a promoção dos seus direitos fundamentais, visem a informação e sensibilização no âmbito das doenças crónicas e incapacitantes e desenvolvam atividades como colónias de férias ou peças de teatro.

No primeiro caso, o Incluir Mais, que já está fechado, teve 72 projetos aprovados e uma dotação de 1,1 milhões de euros, o segundo, o Participação Específica, apresenta 63 projetos aprovados e 587 mil euros, e o terceiro subprograma envolve o valor de 882 mil euros, explicou a secretária de Estado.

A situação de desenvolvimento do programa Intervir para a Participação, do Instituto Nacional para a Reabilitação, é hoje apresentada, em Lisboa, numa iniciativa que conta com a presença de Idália Moniz.

ACRESCENTO: Mais uns milhões distribuídos e umas mãos cheias de promessas...Mas será tão difícil estes preocupados senhores não irem ao fundo da questão? Está tudo errado! Dar milhões e não se preocuparem com mais nada, não leva a lado nenhum. Está mais que provado.

Fonte: Correio do Minho/Lusa

Comentários

  1. Se as promessas pagassem imposto, estaria a crise ultrapassada.

    ResponderEliminar
  2. Tem razão.

    Faz-me muita confusão é haver tantas ferramentas, para nos permitirem um vida melhor, estarem sempre a lanças mais, e em concreto nunca se notar nenhuma diferença...

    Só pode ser incompetência.

    Fique bem.

    ResponderEliminar
  3. Se taxassem a incompetência, seríamos um país próspero.
    Boa noite!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário